• Outlet das Máquinas

Alta no PIB: 'Locomotiva da construção começou a andar', diz representante do setor

O crescimento de 0,4% da economia brasileira no segundo trimestre de 2019 em relação aos primeiros três meses do ano afastou a possibilidade de recessão técnica - que acontece quando há dois trimestres seguidos de queda no nível de atividade.

O desempenho da construção civil no período foi um dos pontos que chamaram atenção: depois de 20 trimestres consecutivos de queda, a construção subiu 2% na comparação com igual trimestre do ano anterior.


O que puxou o resultado positivo do setora, segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), foi o mercado imobiliário - e não as obras de infraestrutura - nas regiões Sudeste e Centro-Oeste.


'Aflição com o futuro' e 'mundo mais confuso': o desempenho da economia no primeiro semestre do governo BolsonaroArgentina declara moratória de dívida e pede renegociação com FMIComo a desvalorização da moeda chinesa na guerra comercial com os EUA pode afetar o Brasil


"Esse número da construção veio devido ao mercado imobiliário, porque as áreas de infraestrutura e de obras industriais e corporativas continuam fracas", disse o presidente da CBIC, José Carlos Martins. "E a recuperação veio em Estados que dependem menos de verba do governo, no Sudeste e Centro-Oeste."


Dados da CBIC mostram que a venda de unidades residenciais no Sudeste subiu 33,5% no segundo trimestre de 2019, em comparação com igual período do ano anterior. No Centro-Oeste, a alta foi de 22%. O Nordeste, por outro lado, apresentou queda de 17%.


"A locomotiva da construção começou a andar. Começou com o mercado imobiliário, vai andar e vai puxar o resto da economia", disse Martins, que defende que o setor é "o freio ou o acelerador da economia".


Questionado sobre a base de comparação baixa do ano passado, quando a greve dos caminhoneiros, em maio, afetou toda a economia brasileira, Martins disse que acredita que há uma demanda reprimida por moradias.


"Tem uma demanda reprimida muito grande, os financiamentos caíram nos últimos anos. Mas chega uma hora que não tem mais jeito, tem que sair da casa do pai, separou e vai sair da casa do cônjuge. Tem um mínimo sinal e a pessoa vai."


A CBIC diz que "o cenário com juros baixos, inflação dentro da meta, o avanço da reforma da Previdência, as expectativas com a reforma tributária e as novas condições de crédito imobiliário contribuem para fortalecer a construção nos próximos meses."

3 visualizações
  • Facebook - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • Tumblr - Círculo Branco

AJUDA

ACOMPANHE-NOS

Fale

com o

atendente

INSTITUCIONAL

PAGAMENTO

Cartões de crédito

SEGURANÇA

chama-no-zap.png